ito embora as vacinas sejam comprovadamente uma das maiores conquistas da humanidade, estamos diante de um cenário preocupante em que os movimentos antivacinas crescem, sempre alicerçados em notícias falsas e sem embasamento científico, comprometendo a adesão aos programas de imunização.

 

A recente iniciativa do Ministério da Saúde de criação de um 

canal para denúncias e análise de fake news

 demonstra quão sério pode ser o impacto da propagação das notícias falsas. De fato, notícias falsas se espalham rapidamente pela internet, promovendo a desconfiança e a incredulidade em relação à eficácia e segurança das vacinas. 

O número de Whatsapp (61) 99289-4640 é um canal exclusivo para analisar e apurar as notícias relacionadas à Saúde e confirmar se são verdadeiras ou falsas

 

1

: Este número pode e deve ser divulgado entre toda a comunidade médica, que tem, mais do que nunca, um importante papel na desmistificação de 

fake news

 relacionadas à área da Saúde e no combate ao movimento antivacinista.                                                                                                                                                                                                                     

Sabemos que a resistência/hesitação à imunização é atualmente considerada uma das dez mais graves ameaças à Saúde Pública. Diante disso, o engajamento do médico, orientando de forma correta o paciente sobre a importância da vacinação, torna-se imprescindível. Neste sentido, o médico, justamente por sua credibilidade, tem um papel influenciador extremamente importante.

Além do novo Whatsapp, é  preciso também que os médicos divulguem entre seus pacientes informações sobre onde e como buscar fontes confiáveis de informação, tais como:

  • o site da SBIM (www.sbim.org.br)
  • o website do Ministério da Saúde  (www.saude.gov.br/saude-de-a-z/vacinacao2                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     

    Nós, médicos, não podemos fechar os olhos diante do antivacinismo.

    Quando se trata de saúde, notícias falsas são um catalisador para o retrocesso dos índices de proteção da população contra doenças – muitas delas, muito graves.

    Notícias falsas podem ceifar vidas.